09 de janeiro de 2018 às 19:00

Delegado diz ter recebido "revelação de Deus" para solucionar caso de templo satânico

Moacir Fermino disse que sempre pede ajuda a Deus para resolver as investigações

Nos últimos dias, o caso das crianças esquartejadas em um templo satânico no Rio Grande do Sul vem atraindo a constante atenção dos órgãos de comunicação. Durante uma entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, o delegado Moacir Fermino, responsável pelas investigações da Operação Revelação, fez afirmações surpreendentes sobre como solucionou o caso. O programa pode ser escutado na íntegra AQUI 

Identificando-se como um “servo de Deus”, o delegado evangélico declarou que profetas teriam lhe indicado os caminhos para a investigação, mostrando até quem ele deveria ouvir.

As duas crianças mortas no ritual foram encontradas esquartejadas em setembro de 2017, na cidade de Novo Hamburgo. Durante meses o caso não teve avanços significativos, mas nos últimos dias foi solucionado e resultou na prisão de quatro pessoas, e o indiciamento de outros três, que estão foragidos.

À rádio, Firmino disse que teve “revelação de Deus”, por isso batizou assim a operação da polícia.

– Essa pessoa que passou é profeta de Deus e estava comigo no carro e disse: ?Deus tem uma revelação para ti?… Quando cheguei à delegacia e desci do carro, um outro profeta de Deus me ligou. Ele disse: ?Delegado Fermino. Vem aqui que tenho tudo para te passar dessas crianças que foram encontradas?… Aí eu fui lá e anotei em um caderno. Foram passadas várias testemunhas e pessoas que dariam informações. Fomos atrás dos indícios â?” explica o delegado.

Ele confirmou que o sacrifício das crianças foi parte de um ritual para adquirir prosperidade, realizado pelo bruxo Sílvio Fernandes Rodrigues, que tem um histórico de envolvimento com magia negra. Dois homens da cidade de Novo Hamburgo pagaram R$ 25 mil para a realização do ritual satânico.

Logo em seguida, os entrevistadores da rádio Gaúcha questionaram se essa “revelação divina” do crime não fugiria das questões técnicas de uma investigação.

“As pessoas são estranhas, não acreditam em Deus. Eu tenho fé. Ele revelou pelos seus profetas”, resumiu Firmino. Em seguida, disse que teve “revelações” para solucionar crimes no passado. “Muitos outros. Para homicídios e outros crimes. Eu já cheguei a me ajoelhar na igreja e pedir a Deus”, contou.

As declarações do delegado imediatamente geraram polêmica na Polícia. O diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), delegado Fábio Motta Lopes, num primeiro momento disse que aqueles que Fermino chama de “profetas” eram informantes que repassaram informações importantes para o desvendamento do caso.

Porém, o chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Emerson Wendt, anunciou que uma reunião irá avaliar a “técnica policial” usada pelo delegado Moacir Fermino no inquérito.

Entrevistado pela rádio Gaúcha, Wendt declarou: “Não são efetivos dentro da técnica de imparcialidade necessária para uma investigação. A necessidade agora é que se faça avaliação técnica policial do inquérito”. Com onformações de Gaúcha ZH

Fonte: GospelPrime

comentários

Estúdio Ao Vivo