29 de dezembro de 2017 às 18:52

Marxismo e cristianismo: Resumindo e refutando

A questão não é se um cristão pode ser marxista, mas como pode ser.

Com seu discurso de igualdade e justiça social o marxismo encanta a muitos. Como um lindo psicopata dos olhos azuis, conquista a confiança até de cristãos que hipnotizados por seu olhar não observam o resto. Principalmente cristãos deviam estar atentos à cosmovisão marxista, que se opõe a todos os valores e à própria realidade revelada.

Abaixo um resumo da essência do marxismo e seu choque com as Escrituras.

1- Não há Deus.

Nem é preciso dizer nada (Salmo 14.1)

2- Só existe o ser humano, produto da evolução.

O homem é consequência, Deus é a causa. É produto da criação, não acidente de uma evolução (Gênesis 2.7).

3- Toda a essência de um ser humano é resultado de suas interações sociais.

A essência do ser humano é a imagem de Deus (Gênesis 1.26)

4- O ponto mais importante nas relações sociais é a forma como o homem produz (economia).

A vida humana é muito mais do que suas relações exteriores com as questões físicas e materiais (Mateus 6.25)

5- A partir da economia e das relações de trabalho os demais assuntos da vida humana se estabelecem (religião, moralidade, cultura, direito, arte etc.).

A ordem do mundo também é resultado da ação divina (Atos 17.24-28)

6- Não existe nada na sociedade que seja “sagrado”. Tudo foi construído dentro dessas relações. Família, religião, valores morais, etc., estão ligados às formas de produção.

Toda cultura é o resultado da essência humana. Há um universo de leis morais que é resultado da criação divina. (Gênesis 1, 2; Salmo 8; Salmo 19)

7- Todas as formas de produção até o advento do marxismo foram de exploração de uma classe por outra. O capitalismo é o ápice desse processo de exploração.

A exploração do homem pelo homem esteve presente em todas as sociedades, inclusive em todas nas socialistas. Nestas, de forma bem cruel.

8- Marx teria “descoberto” como funcionam as leis da história e como solucionar o problema.

Sua negação da essência moral e espiritual da existência humana prova que ele não encontrou lei alguma

9- O socialismo/marxismo se propõe a pôr um fim nesse sistema exploratório, abolindo a desigualdade social e extinguindo as classes sociais.

O diagnóstico de que o problema da humanidade é a propriedade privada (sancionada nas Escrituras) e o conflito de classes é um diagnóstico falso. Logo, a solução como sendo o fim da propriedade privada e a extinção das classes sociais (seja lá o que isso signifique) não pode ser o  remédio.

10- Depois de ter atingido esse ponto, não será mais necessário sequer o Estado. Todos serão econômica e politicamente iguais, tudo será de todos. É o comunismo.

Todas as utopias se chocam com a realidade da natureza humana corrompida pela queda e por isso transformam-se em distopias (Romanos 7.14-21). Ignorar isso é ignorar a realidade.

11- Para atingir esse objetivo é preciso que os “representantes do povo”, se apossem das forças políticas e imponham mudanças. Precisam ter controle absoluto do Estado, intervindo em todas as esferas da sociedade.

O poder político, embora necessário e benéfico em certos sentidos (Romanos 13.1-8), tem sempre se mostrado contrário a Deus  e ao seu Messias (Salmo 2)

12- Isso pode ser feito de duas maneiras: da forma violenta, como no século XX, com as chamadas “ditaduras do proletariado” (URSS, China, Cuba, etc.).

Esses regimes foram abertamente anticristãos. Não se poderia esperar nada diferente, devido ao exposto acima  (Salmo 2 e 14.4)

13- Ou por meio da transformação cultural, como sugerido por várias correntes e pensadores (Antônio Gramsci, Gyorge Lukács, Escola de Frankfurt, etc.).

14- Essa última forma propõe a transformação gradativa da cultura, gerando aceitação das ideias socialistas/comunistas, destruindo valores e conceitos correntes, principalmente cristãos.

15- Isso requer pessoas com pensamentos marxistas em locais-chave da sociedade â?" política, educação, arte, medicina, etc.

16- Na cultura Ocidental a influência cristã e inegável, mesmo onde não há confissão aberta do cristianismo. Família, crença, moral, tudo tem influência cristã.

17- A guerra cultural atual é resultado da tentativa de destruir a cultura vigente (cristã em vários aspectos) e substituí-la por uma visão de mundo que aceite de modo passivo os valores do marxismo/socialismo.

18- A educação e a arte são instrumentos vitais nessa guerra cultural.

19- O que estamos vivendo hoje é apenas o resultado de um processo que começou lá atrás e avançou com pouco ou nenhuma oposição.

20- Identificar as atuações desse pensamento, refutá-lo intelectualmente e opor-se a ele, na teoria e na prática é nossa missão

Filosofia, vãs sutilezas e raciocínios enganosos precisam ser confrontados com a verdade revelada. Se moldarem a cultura serão nocivas para o Evangelho e para o mundo (2 Coríntios 10.4, 5; Colossenses 2.8). É missão da Igreja ser sal e luz no mundo (Mateus 5.13, 14). A Igreja precisa ser a coluna e sustentadora das verdades reveladas (1 Timóteo 3.15)

A questão não é se um cristão pode ser marxista. A pergunta é como um cristão pode ser marxista diante desses fatos.

Fonte: GospelPrime

comentários

Estúdio Ao Vivo