11 de janeiro de 2018 às 13:54

Pior que a teologia da prosperidade, só a da miséria

O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos, mas a riqueza do pecador é depositada para o justo. (Provérbios 13.22)

Sabemos da existência do famigerado, espúrio e beligerante conceito teológico que gira em torno da prosperidade financeira â?" o que apelidamos de “teologia da prosperidade”. Sim, tais conceitos são essencialmente diabólicos, anticristãos, com um conteúdo extremamente antibíblico e, por fim, podemos compreender que o deus deles é Mamon.

O amor ao dinheiro, definitivamente, conforme diz a Escritura, é a raiz de todos os males (1 Timóteo 6.10a). Na verdade, todo amor que não tem por originário o próprio Deus é um falso amor, um tipo adoecido de amor que não conduz o homem na verdadeira paz e liberdade. Aliás, o dinheiro pode comprar quase tudo, menos a paz.

No entanto, vejo que muitos, na tentativa de rechaçar a ideologia gospel que é refém da grana no contexto dos ambientes eclesiásticos e teológicos, acabam por debandar para outro perigoso extremo que é o extremo do que chamarei de “teologia da miséria”, onde prega-se que o ser humano nasceu para viver num estado permanente de pobreza e vulnerabilidade social; de modo que, para este é praticamente “uma benção” ser desprovido de bens e recursos financeiros â?" o que é um evidente ignorância.

Alguns, para justificar seus descontroles financeiros, ou colocam a culpa no Diabo ou creditam a Deus o fato de estarem “passando pelo deserto”, como se, sempre, o deserto significasse na Bíblia ausência de provisão divina para fins de aprendizado e crescimento espiritual. Veja bem: isso até pode acontecer, mas existem desertos que Deus simplesmente está permitindo que alguns passem, porque lhes falta fé não para vencer, mas, sim, para obedecer.

A teologia da miséria é pregada em muitos púlpitos â?" e vivida por muitos pastores, líderes e membros da Igreja Evangélica Brasileira. Seu ensino consiste em tornar a ética protestante do trabalho â?" que afirma o sacerdócio universal dos crentes e que servimos a Deus não apenas na Igreja, mas também no local de trabalho â?" numa doutrina esvaziada de importância para a espiritualidade cristã, e isso para enclausurar o fiel no espaço institucional e lhe arrancar até as roupas do corpo com campanhas golpistas (vai ter golpe sim!) que prometem o dobro e o triplo, contudo somente fracionam o pouco do que alguns irmãos incautos possuem. Estes estão na rota de colisão com o juízo do Altíssimo.

Os pregadores da teologia da miséria, quando não estão sugando a renda das ovelhas de Jesus, estão mediocrizando os pequeninos com discursos absurdamente descabidos para um porta-voz da mensagem de Deus, fazendo com que estes desistam de sonhar, de trabalhar por um futuro melhor para suas famílias, e tudo isso com a pseudo desculpa franciscana de que Deus é mais adorado por nós quando padecemos necessidades materiais ou quando fazemos votos de pobreza. O papa Francisco pode ser pop, mas pobre ele não é mesmo!

Entenda uma coisa: nem todos serão ricos e deveras prósperos financeiramente nesta terra; porém, Deus te chamou para trabalhar pela dignidade de sua casa. Deus não te quer refém de líderes sanguessugas que, enquanto tentam desconstruir o potencial de crescimento financeiro e pessoal em sua vida, estão vivendo com o melhor possível do que há nesta terra. (Sai deste arraial, povo meu!)

Abandone a teologia que louva a miserabilidade humana tanto quanto você já se convenceu de que deve abandonar a teologia da prosperidade, com todas as suas confissões positivas e coberturas espirituais e maldições hereditárias e atos proféticos bizarros. O cristianismo deve ser vivido com equilíbrio e é por meio do Espírito Santo â?" que lança luz sobre a Escritura â?" que nós podemos discernir a vontade de Deus para nossas vidas e famílias.

Leia a Bíblia e veja que você não precisa de campanha alguma para ser mais próspero neste ano. Leia a Bíblia e veja que você não precisa de um falso profeta para te puxar para baixo e te impedir de trabalhar por mais dignidade familiar. Se esforce, sirva a Deus também por meio do seu trabalho e certamente ele fortalecerá suas mãos para que você tenha a oportunidade de cumprir na sua vida e posteridade o texto de Provérbios 13.22.

Fonte: GospelPrime

comentários

Estúdio Ao Vivo